História
Origens, história, sucesso
1917
/ 1930

Os anos ΄17 - ΄30

Turim 1917, Giuseppe Ratti, fotógrafo e proprietário da Ótica Berry, dá início a uma aventura destinada a culminar com sucesso internacional. Com efeito, é num pequeno pátio na Via Caboto que ele começa a produzir óculos tecnicamente avançados, concebidos para atender às necessidades de aviadores e pilotos esportivos, que exigiam conforto, proteção e uma ótima visão.
 
  • Surgem assim os óculos Protector, realizados com lentes redondas fumês, cercadas de borracha e fixados à cabeça por meio de faixas elásticas. Rapidamente foram adotados pelas Forças Armadas e pelos pilotos da Força Aérea Italiana.
  • Intuição, inventividade, inovação e qualidade fizeram dos óculos Protector a escolha de várias forças aéreas em todo o mundo, incluindo os Estados Unidos. Durante este período, foram usados por ases da aviação, do automobilismo e do motociclismo - D'Annunzio, De Pinedo, Ferrarin, Chiron, Nazzaro, Fangio, Opessi, Bolognini e Ghersi, para nomear apenas alguns.
  • Os óculos Protector tiveram um batismo realmente especial, com o Major Gabriele d’Annunzio (para quem foi criado um modelo sob medida) e o Capitão Natale Palli no seu histórico voo sobre Viena, em 9 de agosto de 1918 e com Francesco De Pinedo, no seu voo transatlântico de 193 horas!
  • Da pena de um grande designer, Eugenio Colmo, conhecido pelo nome de Golia, nasce o “Chinesinho” em 1920, que será o sinal distintivo da loja Berry na Via Roma e que acompanhará os produtos de Ratti, com as suas evoluções gráficas, por 50 anos, nas campanhas publicitárias sobretudo da linha Persol, que foi criada nessa época.
  • Sempre nos anos 20, foram criadas as famosas lentes amarelo-marrom, realizadas em cristal neutro e produzidas com sílica de altíssima pureza, que serão montadas em todos os óculos Persol. A sua peculiaridade se deve a um processo especial de fabricação “en masse”, que determina a sua coloração e garante uma excelente proteção contra os raios solares nocivos.
  • Em 1924, os Protector obtêm a primeira de 14 patentes internacionais. Constituídos por um conjunto de 41 peças que exigem 43 diferentes operações de montagem, os óculos Protector são adotados também pelo Departamento Militar Suíço, em 1927, após um cuidadoso estudo.
  • A subsequente evolução do modelo Protector, orientada pela intuição e pela vontade de criar uns óculos de sol verdadeiramente revolucionários, em termos de qualidade e facilidade de uso, levou à criação da marca Persol (da frase “per il sole”, que significa “para o sol”, salientando sua função de proteção contra os raios solares).
  • As características extraordinárias deste produto inovador eram seu desenho limpo, as lentes de cristal (o orgulho da Persol), a Seta Prateada (um detalhe funcional mas também um elemento decorativo inconfundível) e a patente Meflecto, um sistema estudado para tornar as hastes flexíveis e proporcionar o máximo conforto.
  • No final da década de 30, é lançado o sistema Meflecto, ou seja, a primeira haste flexível do mundo e que ainda hoje é uma característica distintiva da marca Persol. A flexibilidade das hastes provém da introdução de cilindros de nylon ou metal cruzados por um núcleo de aço inoxidável, propiciando um conforto absoluto e facilitando a adaptação a qualquer rosto.
  • Este período viu também surgir o Persol Victor Flex, uma aplicação do conceito do Meflecto. Um verdadeiro concentrado de tecnologia, os óculos eram dotados de uma ponte flexível (chamada de “ponte de 3 entalhes“, ainda hoje utilizada no modelo 649), que cria uma confortável curvatura e melhora a aderência ao rosto. Nos novos modelos, é aplicado um reforço metálico interno nas hastes, para permitir o seu ajuste, seja no comprimento como na curvatura.
  • É na mesma época que nasce a Seta Prateada, símbolo inconfundível da Persol: uma dobradiça decorada com uma seta na haste, inspirada nas espadas dos antigos guerreiros. Esta inovação, fruto da intuição de Ratti, foi imediatamente patenteada em vários países.
  • Várias versões da seta se seguiram, com evoluções e ajustes técnicos e estéticos, até chegar a seta “Supreme”, que ainda hoje distingue a marca Persol. Detalhe funcional e, ao mesmo tempo, elemento decorativo, a seta logo levou a Persol a ser internacionalmente reconhecida (e copiada) por seu estilo muito especial.
  • O Modelo 649 surgiu em 1957, concebido para os condutores de bonde de Turim, que precisavam de óculos grandes para protegerem os olhos do ar e da poeira. Graças a seu design original, estes óculos tiveram um enorme sucesso e foram copiados ao longo dos anos, por muitos concorrentes. Em 1961, entraram para a lenda, quando Marcello Mastroianni os usou no filme “Divórcio à Italiana”.
  • Protected by several patents and registered trademarks, model 649 (still today of great relevance and present in collections) represents the symbol par excellence of Persol design. Thanks to its particularity, in a 1994 French book entitled “Qualità: scènes d'objets à l'italienne“ it was included among the objects most representative of the Italian creative genius of yesterday and today.
  • Nos anos 60, a Persol é motivo de grande orgulho para a indústria italiana. Sua produção é ampliada, incluindo agora óculos de trabalho - os Labor eram óculos de proteção para soldagem, com filtros específicos para diferentes usos. Era uma linha altamente especializada, resultante de profunda investigação, com mais de 35 patentes internacionais, que colocou o nome Persol nos primeiros lugares da indústria óptica mundial.
  • O ano de 1962 foi o ano da conquista do mercado dos Estados Unidos (embora a Persol já estivesse fornecendo o modelo "quatro-lentes" para a NASA).
  • Por essa altura, os óculos Persol eram cada vez mais usados por personalidades conhecidas, não só aviadores e esportistas mas também estrelas de cinema e da televisão, como Greta Garbo e Steve McQueen, que escolhiam a Persol para usar tanto nas filmagens como em sua vida cotidiana.
  • A década de 80 viu aumentar a grande atenção que a Persol sempre dedicou à inovação tecnológica e ao cuidado com seus produtos. Na verdade, participou em várias expedições para testar as lentes da marca a grandes altitudes e no deserto, verificando assim seu desempenho em condições extremas e para experimentar o emprego de materiais inovadores.
  • Por este motivo, nos anos 80 e 90, vemos a Persol sendo testada nas condições mais extremas, em uma expedição às Ilhas Svalbard no norte da Noruega, patrocinando e participando em várias edições do extenuante Paris-Dakar e equipando um time para o Rali dos Faraós, em 1991.
  • Em Vorkuta, na Sibéria, acima do paralelo 75N e com 65° abaixo de zero, os astronautas russos lançados de pára-quedas para adestramento de sobrevivência, estavam equipados com óculos de sol Persol, com lentes polarizadas multi-camadas. Também o excursionista Enrico Rosso usou óculos Persol em 1989, na sua ascensão do Kun (7087m), no Himalaia. Com ele, estava o oftalmologista Paolo Gugliermina, responsável por testes oculares. No seu retorno, relatou que nenhum dos homens do grupo tinha apresentado qualquer problema de olhos, graças à proteção das lentes Persol, especificamente desenhadas para aquela missão.
  • And again, alpinist Enrico Rosso wore Persol glasses in 1989 as he climbed up to the Himalayan summit of Kun (23251 ft). With him was ophthalmologist Paolo Gugliermina who looked after ocular testing. Upon his return he reported that none of the men on the expedition had suffered eye problems thanks to protection from Persol lenses specifically designed for the mission.
  • Graças aos desempenhos da Persol, outras expedições ao Himalaia tiveram lugar no início da década de 90, incluindo aquela ao monte Cho Oyu, a “Deusa Turquesa” com 8201m. Estes bancos de ensaio, em colaboração com indiscutíveis personalidades do mundo do montanhismo como Reinhold Messner, tornaram possível a realização de importantíssimos estudos ópticos e de testes de qualidade das lentes Persol.
  • Da grande riqueza de informações reunidas junto aos esportistas, em 1990 nasce a “Persol Sport”, uma linha criada para proteger os olhos dos praticantes de atividades esportivas. Por essa altura, a imagem da Persol era muito associada a personalidades do mundo do esporte, como Jean Alesi, em 96 e 97.
  • A imagem feminina da Persol foi confiada, no início dos anos 90, à atriz italiana Ornella Muti, para quem a Persol criou expressamente um par de óculos de grande sucesso (o elegante modelo 830) e depois, em 1993-94 à supermodelo Carol Alt. Também ela teve um modelo personalizado (o Carol 853).
  • Los Angeles, 1991, na mítica e exclusiva Rodeo Drive de Beverly Hills, abre a primeira boutique Persol, demonstrandoa preferência de um público cada vez mais vasto. Em 1994, a Persol estava presente em 40 países e possuía 3.500 pontos de venda na Itália e mais de 12.000 no resto do mundo. O seu sucesso é inquestionável e, devido ao requinte de seus modelos, eles são escolhidos para as campanhas publicitárias de grandes marcas do mundo da moda.
  • Em abril de 1995, o Grupo Luxottica, líder mundial no setor, adquire a marca Persol e transforma-a num verdadeiro sucesso internacional. A Persol torna-se uma das marcas mais importantes do panorama óptico mundial conservando, ao mesmo tempo, suas raízes e o compromisso com a tradição e a qualidade. Na verdade, a Luxottica continua produzindo os óculos Persol na histórica fábrica de Lauriano (Turim), onde ainda hoje eles são feitos com o mesmo cuidado e atenção que sempre tiveram.
  • Em 1995, o modelo 649 foi escolhido para representar a relação que existe entre moda, design e tecnologia e foi exibido na exposição “Fra Moda e Design, linea infinita“ na Trienal de Milão, lado a lado com criações de Armani, Cartier, Mary Quant, Prada, Rolex e muitos outros. Em 2004, foi apresentado na exposição “Excess: Fashion & the Underground in the 80's" onde, juntamente com uma coleção variada de itens de cultura pop contemporânea, demonstra perfeitamente o caráter intemporal dos mitos.
  • De vez em quando, a Persol confia sua imagem pública a algumas figuras excepcionais: desde os já mencionados Ornella Muti, Jean Alesi e Carol Alt até a extraordinária atriz Maria Grazia Cucinotta e os jogadores de futebol Alessandro Del Piero (promotor em 1998-99) e Filippo Inzaghi (promotor em 2004). Estas celebridades mostraram sua preferência pela lenda Persol e interpretaram seu estilo e caráter com elegância e originalidade.
  • Ao longo dos anos, muitos personagens famosos escolheram a qualidade da Persol, tornando-se promotores espontâneos de nossa marca: grandes esportistas, figuras de destaque do mundo empresarial e, acima de tudo, celebridades incontestáveis do mundo do cinema, cenário privilegiado para a Persol.
  • Os óculos Persol têm sido usados por grandes nomes do cinema internacional, que elegeram os óculos de sol italianos por excelência, não só para os locais de filmagem mas também para sua vida cotidiana. A longa “filmografia” da Persol começou em 1960 e continua aumentando, assinalando uma história de amor com a indústria cinematográfica, verdadeiramente especial e mágica.
  • Hoje, é escrito um novo capítulo no legado da Persol: o mítico modelo 649 ousa evoluir. O recém-nascido ícone, o 9649, conserva a forma inconfundível apresentando, porém, um perfil mais delgado e mais leve.
1917-1930
1930-1950
1950-1970
1970-1990
1990-Today
1917
/ 1930
Os anos ΄17 - ΄30
Turim 1917, Giuseppe Ratti, fotógrafo e proprietário da Ótica Berry, dá início a uma aventura destinada a culminar com sucesso internacional. Com efeito, é num pequeno pátio na Via Caboto que ele começa a produzir óculos tecnicamente avançados, concebidos para atender às necessidades de aviadores e pilotos esportivos, que exigiam conforto, proteção e uma ótima visão
1930
/ 1950
Os anos ΄30 - ΄50
A subsequente evolução do modelo Protector, orientada pela intuição e pela vontade de criar uns óculos de sol verdadeiramente revolucionários, em termos de qualidade e facilidade de uso, levou à criação da marca Persol (da frase “per il sole”, que significa “para o sol”, salientando sua função de proteção contra os raios solares).
1950
/ 1970
Os anos ΄50 - ΄70
O Modelo 649 surgiu em 1957, concebido para os condutores de bonde de Turim, que precisavam de óculos grandes para protegerem os olhos do ar e da poeira. Graças a seu design original, estes óculos tiveram um enorme sucesso e foram copiados ao longo dos anos, por muitos concorrentes. Em 1961, entraram para a lenda, quando Marcello Mastroianni os usou no filme “Divórcio à Italiana”.
1970
/ 1990
Os anos ΄70 - ΄90
A década de 80 viu aumentar a grande atenção que a Persol sempre dedicou à inovação tecnológica e ao cuidado com seus produtos. Na verdade, participou em várias expedições para testar as lentes da marca a grandes altitudes e no deserto, verificando assim seu desempenho em condições extremas e para experimentar o emprego de materiais inovadores.
1990
/ TODAY
Da ΄90 até hoje
A imagem feminina da Persol foi confiada, no início dos anos 90, à atriz italiana Ornella Muti, para quem a Persol criou expressamente um par de óculos de grande sucesso (o elegante modelo 830) e depois, em 1993-94 à supermodelo Carol Alt. Também ela teve um modelo personalizado (o Carol 853).